Etanol dos EUA pode escapar de preço negativo, dizem analistas

O setor de etanol dos Estados Unidos enfrenta forte crise no último ano, o que obrigou a uma onda de paralisações da produção no Centro-Oeste.

No entanto, usinas ociosas podem conseguir evitar que o biocombustível seja atingido pelos preços negativos que afetam o petróleo.

Os estoques de etanol à base de milho aumentaram para nível recorde nos EUA, já que a pandemia de coronavírus deixa motoristas longe das estradas.

Mas, embora os preços do biocombustível estejam em queda, é provável que não caiam abaixo de zero.

Primeiro, há a questão das paralisações. É muito mais fácil paralisar uma usina onde o grão é esmagado em combustível do que fechar um campo de petróleo inteiro.

Nos EUA, a produção de etanol registra desaceleração recorde, e será um processo relativamente simples fechar mais usinas se os preços continuarem caindo.

“O setor de etanol aparentemente tem capacidade de desativar capacidade em pouco tempo”, disse Ken Morrison, operador independente de St. Louis.

Depois, há a questão do armazenamento. No caso do petróleo bruto, o excesso de oferta tem esgotado a capacidade global de tanques, oleodutos e superpetroleiros, onde é armazenado antes de ser refinado em gasolina e outros combustíveis.