Compartilhar

As vendas de etanol pelas unidades produtoras do Centro-Sul em fevereiro atingiu 2,45 bilhões de litros, sendo 174,24 milhões direcionados ao mercado externo e 2,28 bilhões comercializados domesticamente.

No mercado interno, as vendas se mantiveram 0,39% aquém do volume registrado no mesmo mês de 2020. A comercialização mensal de etanol anidro atingiu 732,61 milhões de litros (queda de 0,57%) e as vendas de hidratado alcançaram 1,54 bilhão de litros (retração de 0,30%).

“Mesmo com um maior número de dias úteis em função do cancelamento do carnaval, as vendas de etanol domesticamente continuaram aquém do ritmo verificado em fevereiro de 2020, antes do início da pandemia de COVID-19”, esclarece Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da UNICA. “Vale lembrar que na primeira quinzena de fevereiro registramos um aumento de 5,81% nas vendas de etanol domesticamente. No entanto, esse aumento na demanda foi anulado por uma queda de 7,27% na segunda quinzena, o que fez o mês fechar com recuo de 0,39%, em um movimento natural de mercado”, complementa.

Estoque de etanol

Apesar da menor produção de etanol na safra 2020/2021, o estoque do biocombustível nas unidades do Centro-Sul permanece acima do registrado em igual período de 2020. Em 1º de março deste ano, o estoque de etanol anidro fechou 5,47% acima do volume observado na mesma data do ano anterior. No caso do etanol hidratado, o montante armazenado neste ano superou em 11,48% o registrado no último ciclo agrícola.

“Em relação as vendas de fevereiro, o estoque de anidro nas usinas no início de março representava cerca de dois meses de consumo. No caso do hidratado, a proporção era equivalente a 1,25 mês de vendas. Os valores estão dentro do necessário para o abastecimento no último mês de entressafra”, analisa Rodrigues. “Vamos continuar monitorando as vendas e o início de safra das usinas para oferecer informações precisas e confiáveis aos agentes que operam o mercado nesse período de transição de ciclo agrícola”, acrescentou o executivo.

Moagem e produção

A moagem de cana-de-açúcar na segunda quinzena de fevereiro alcançou 668,98 mil toneladas e, no acumulado desde o início da safra, totalizou 598,79 milhões de toneladas.

“Seguindo os números divulgados no final do ano passado, deveremos fechar a safra 2020/2021 com moagem próxima a 605 milhões de toneladas”, concluiu o executivo da UNICA.

A produção quinzenal de açúcar atingiu 18,67 mil toneladas e, no acumulado da safra, a fabricação do adoçante alcançou 38,24 milhões de toneladas.

A produção de etanol, por sua vez, foi de 114,96 milhões de litros na segunda quinzena do mês, sendo 107,45 milhões de litros de etanol hidratado e apenas 7,51 mil litros de etanol anidro. No acumulado desde o início da safra 2020/2021 até 1º de março, a produção de etanol chegou a 29,79 bilhões de litros, sendo 9,71 bilhões de litros de etanol anidro e 20,08 bilhões de etanol hidratado.

A produção quinzenal de etanol de milho totalizou 85,63 milhões de litros na segunda metade de fevereiro, com 74,44 milhões de litros de etanol hidratado e 11,20 milhões de litros de etanol anidro. No acumulado da safra 2020/2021, a produção de etanol de milho é de 2,30 bilhões de litros.

Nova safra

Em relação ao número de usinas em operação, 15 unidades estavam em funcionamento até o final da segunda quinzena de fevereiro, sendo 7 empresas com moagem de cana-de-açúcar, 3 unidades flex (processam milho e cana-de-açúcar) e 5 plantas dedicadas exclusivamente à produção de etanol de milho.

Segundo levantamento conduzido pela UNICA e demais associações do Centro-sul, na primeira quinzena de março 17 empresas devem iniciar a safra 2021/2022. Até o final do mês, outras 21 unidades iniciarão suas operações.

“No final de março do ano passado, 87 unidades produtoras estavam em operação e neste ano apenas 50 empresas devem estar operando. Apesar desse atraso no início da safra 2021/2022, o estoque mais elevado de etanol no início do março é suficiente para atender plenamente as vendas no mês”, explica o executivo da UNICA. “Para a primeira quinzena de abril, a nossa expectativa é de que outras 124 empresas iniciem a moagem, dando início efetivo à produção da safra 2021/2022”, acrescentou.

Cadastre-se em nossa newsletter